Blog

Desenvolvimento infantil: o que o hábito da leitura tem a ver com isso?

Por: - Dermatologia pediátrica - CRM/SC 10414 | RQE 5948
Publicado em 24/02/2016 - Atualizado 07/02/2019

Há uma citação que diz que “ler é viajar sem sair do lugar, voar sem ter asas, caminhar sem tirar os pés do chão, sonhar acordado, navegar em um mar de palavras, soltando a imaginação …”. Para as crianças, ler é isso tudo e muito mais. É uma maneira de desenvolver de forma plena habilidades como pensar, falar e aprender, e fortalecer o vínculo com os pais.

Considerando todos os benefícios da leitura na infância, a Sociedade Brasileira de Pediatria, em parceria com a Fundação Itaú Social e a Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, realiza a Campanha Receite um Livro, para motivar a leitura parental para – e com – as crianças como forma de promover o desenvolvimento infantil integral.

Porque estimular o hábito da leitura é tão importante

A leitura é um dos principais estímulos que pais e cuidadores podem oferecer à criança desde a gestação até os 6 anos, período em que a formação de conexões cerebrais é mais propícia. Ela é tão importante que se tornou uma recomendação médica no exterior e no Brasil.

Ler para uma criança colabora com o desenvolvimento da linguagem oral e escrita, faz com que ela compreenda a dinâmica do mundo das palavras, associe imagens a textos e vice-versa, e oferece muitos outros benefícios:

  • desenvolve a atenção, a concentração, o vocabulário, a memória e o raciocínio;
  • estimula a curiosidade, a imaginação e a criatividade;
  • ajuda a criança a perceber e a lidar com os sentimentos e as emoções;
  • auxilia no desenvolvimento da empatia (a capacidade de colocar-se no lugar do outro);
  • ajuda a minimizar problemas comportamentais, como agressividade, hiperatividade e comportamento arredio;
  • auxilia na boa qualidade do sono.

Senta que lá vem história

O melhor jeito de começar a promover o relacionamento do bebê com os livros e, consequentemente, a leitura é contar histórias para ele ainda na gravidez. É na gestação que o cérebro começa a se desenvolver dentro do útero, assim como as conexões neuronais, e a criança começa a ter as primeiras sensações.

Depois que ela nasce, esse hábito deve ser mantido e incluso na rotina diária, da mesma forma que comer e tomar banho. Os textos não precisam ser longos. Pelo contrário, podem ser pequenos, desde que sejam lidos todos os dias. É preferível, a ler um livro hoje e outro daqui a uma semana.

Já pensou que legal fazer da leitura um momento em família? Os pais podem aproveitar para resgatar os  livros, histórias, canções, jogos e brincadeiras prediletas da sua infância e compartilhar ainda mais histórias. Então, livre-se das preocupações, revire o baú – ou a livraria – e curta o instante. Mais tarde, vocês terão muitas histórias de família para contar juntos!

Material escrito por:
Dermatologia pediátrica - CRM/SC 10414 | RQE 5948

A Dra. Marice Mello dedica-se à pediatria desde a graduação em medicina na UFSC. A médica é especialista em pediatria, pelo Hospital Infantil Joana de Gusmão, e tem especialização em dermatologia pediátrica, pela UFPR. É membro da Society Pediatric Dermatology, da Sociedade Latino-Americana de Dermatologia Pediátrica e da Sociedade Brasileira de Pediatria.   Ver Lattes

Voltar