Blog

O que é psoríase?

Por: - Dermatologia pediátrica - CRM/SC 10414 | RQE 5948
Publicado em 28/11/2016 - Atualizado 07/02/2019

A psoríase é uma doença da pele que afeta 1 a 2 % da população. É caracterizada por placas avermelhadas e descamativas na pele. É uma doença de caráter crônico, ou seja, persiste por um longo tempo durante o qual os sintomas têm períodos de melhora e piora. Pode iniciar em qualquer idade, sendo que 30% dos pacientes apresentam lesões antes dos dois anos de vida.

A psoríase pode ser leve, moderada ou grave. Cada paciente responde de forma diferente aos diversos tratamentos. A psoríase não tem cura, mas pode ser controlada.

O que causa a psoríase?

Ainda não se sabe qual a causa da psoríase, mas sabe-se que o sistema imunológico e a genética estão envolvidos no desenvolvimento da doença. É como se o sistema imune desse uma resposta errada ao próprio organismo. A pele renova-se de maneira mais rápida e exagerada, em três a quatro dias, ao invés de três a quatro semanas, formando placas de pele grossas e descamativas.

Como se faz o diagnóstico da psoríase ?

O diagnóstico da psoríase é clínico, ou seja, ao examinar o paciente, o médico já consegue detectar a doença. Em caso de dúvida, uma biópsia de pele é requisitada para confirmar a presença de psoríase.

Qual é o quadro clínico da psoríase?

A psoríase é caracterizada por lesões arredondadas descamativas, vermelhas e secas na pele. O paciente pode sentir coceira e ardência. As lesões aparecem e desaparecem.

Existem diferentes formas clínicas de psoríase. A mais comum em crianças é a psoríase em placas que pode provocar poucas ou muitas placas, em qualquer parte do corpo. São mais comuns em joelhos, cotovelos e no couro cabeludo. Outra forma comum na criança é a psoríase gutata, caracterizada por lesões menores distribuídas no tronco e membros. A psoríase pode acometer também unhas e articulações.

Quais os tratamentos para psoríase?

O tratamento da psoríase depende da gravidade da doença e da área afetada.

Tratamentos tópicos são feitos com hidratantes, anti-inflamatórios tópicos e shampoos.

Quando os tratamentos tópicos não são efetivos, é recomendada a fototerapia com ultravioleta.

Nos casos mais graves e extensos, utiliza-se medicações orais ou injetáveis.

A psoríase e o emocional

Devemos estar atentos ao emocional das crianças com psoríase. As lesões na pele podem afetar a autoestima dos pequenos e deixar a criança ansiosa e/ou depressiva. A criança com psoríase precisa saber que suas lesões não são contagiosas e não deixam cicatriz.

A psoríase e os riscos associados

As crianças com psoríase tem risco aumentado na fase adulta para obesidade, diabetes, colesterol alto e doenças do coração. Por isso, devem manter uma vida saudável, com peso adequado, dieta balanceada e atividade física regular. Toda a família deve participar desse estilo de vida, e ser exemplo para a criança.

Material escrito por:
Dermatologia pediátrica - CRM/SC 10414 | RQE 5948

A Dra. Marice Mello dedica-se à pediatria desde a graduação em medicina na UFSC. A médica é especialista em pediatria, pelo Hospital Infantil Joana de Gusmão, e tem especialização em dermatologia pediátrica, pela UFPR. É membro da Society Pediatric Dermatology, da Sociedade Latino-Americana de Dermatologia Pediátrica e da Sociedade Brasileira de Pediatria.   Ver Lattes

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.

Voltar